Artigo do Mês

Se o Estado Laico, por que os Feriados Religiosos?
 


O país comemora neste mês o feriado religioso denominado de “Dia da Padroeira do Brasil - Nossa Senhora Aparecida”, segundo a Lei Federal 6.802 de 30 de junho de 1980, que, “Declara Feriado Nacional o Dia 12 de outubro, Consagrado a Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil. (...) Art. 1º. É declarado feriado nacional o dia 12 de outubro, para culto público e oficial a Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.(...)”.

Este é um dia sagrado para a Igreja Católica Apostólica Romana, que possui um histórico de quatrocentos anos de religião professada por maioria da população brasileira, devendo ser respeitado pelos crentes, bem como, descrentes, de todos os matizes de fé, o direito assegurado pela Constituição Federal do País dos religiosos católicos romanos referenciarem seus dogmas eclesiásticos, seus ritos, seus santos, seus dias de guarda etc.

Contudo, em função da data ser feriado nacional oficial, fica no ar a pergunta, por que quem não é católico romano é obrigado legalmente a consagrar este dia 12 de outubro?, e atualmente este percentual de brasileiros é altamente expressivo, fala-se em quase 40% da população pátria, entre os quais, budistas, candomblecistas, evangélicos, judeus, mulçumanos, praticantes de confissões orientais, de religiões de matriz africana, umbandistas etc, que também tem garantido constitucionalmente o direito de professarem seus dogmas espirituais, suas datas religiosas, suas crenças, bem como, cultuarem suas divindades etc, e ainda, ateus e agnósticos, que não professam qualquer tipo de fé.

Esta é a questão central, pois estes professantes das diversas tradições religiosas, num país que o Estatuto da Nação, assegura a Liberdade de Crença e Consciência, como contido no Art. 5º, VI – “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias; (...)”, e, VIII – “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei; (...)”.

E, ainda, estabelece o Princípio da Laicidade, com a Separação Igreja-Estado, inserido no Art. 19, “É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

 I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público; (...)”, sendo que todos os cidadãos, mesmo os de outras confissões de fé, são obrigados pela lei federal a não abrir sua empresa, deixar de trabalhar, impedido de acessar serviços em órgãos públicos ou instituições privadas etc?, sob pena de descumprir uma norma federal, arcando com consequências legais, numa afronta ao Estado Laico brasileiro.

É sempre bom dizer que Estado Laico não é Estado Ateu, pois este proíbe a manifestação religiosa dos cidadãos, e aquele protege e resguarda o direito dos cidadãos professarem livremente sua fé, não tendo religião oficial, por isso, não pode obrigar, através de leis os cidadãos a cumprir ou deixar de cumprir preceitos espirituais atinentes a um determinado grupo religioso, independente de seu histórico, suas tradições, a quantidade de fieis praticantes, sua influência político-social, seu poderio financeiro etc.

Assim, é o Poder Legislativo, através do Congresso Nacional que tem a competência constitucional para alterar esta norma legal, e diversas outras datas religiosas que são feriados nacionais, podendo, inclusive, neste caso, ser este dia considerado como sagrado exclusivamente para os católicos romanos, deixando de ser feriado nacional, a exemplo de outros grupos religiosos que reverenciam suas datas sagradas, como o “Dia do Evangélico”, comemorado nacionalmente todos os anos no dia 30 de novembro.

Este também é um dos casos que fica demonstrado a indevida ingerência do Poder Público numa questão estritamente ligada a questão de fé de um segmento religioso, sendo consequentemente inconstitucional, pois fere o princípio Separação Igreja-Estado, entretanto, não é feriado oficial, como disposto na Lei Federal 12.328/10, ou, ainda, através do Poder Judiciário, sendo o Supremo Tribunal Federal provocado através de uma ADPF - Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, eis que, a Lei 6.802/80 tem vigência anterior a Constituição Federal de 1988, visto que a Liberdade de Crença e Religião é um dos fundamentos da república brasileira.

Compartilhamos, por oportuno, entrevista concedida ao Portal Terra exatamente acerca desta temática, quando oficialmente o país também parou em função do feriado religioso da pascoa, que também, como outros é lei federal obrigatório em todo território nacional.

“Também chamada de Sexta da Paixão para os cristãos, a Sexta-Feira Santa marca a morte de Jesus Cristo e o seu sofrimento ao carregar a cruz e ser crucificado. A data é um feriado móvel no Brasil, assim como em outros países, porque segue o calendário da Páscoa.

(...) Mas por que essa e outras datas religiosas são feriados se o nosso País é um Estado laico? De acordo com o advogado especialista em direito religioso Gilberto Garcia, essa tradição ainda existe na sociedade brasileira devido a questões históricas e culturais. Na época do Brasil Colônia, quando o nosso país era dependente de Portugal, a religião oficial era o catolicismo.

No Brasil Império, em 1824 uma mudança na legislação permitiu a liberdade de crença, no entanto ela não poderia ser feita em espaços públicos. Foi somente em 1890, após a proclamação da República, que um decreto estabeleceu a liberdade de culto de todas as religiões, no entanto, manteve subvenção estatal aos sacerdotes da Igreja Católica.

Um ano depois, a Constituição de 1891 instituiu, finalmente, a separação entre a igreja e o Estado, estabelecendo que não existe nenhuma religião oficial. Embora isso tenha ocorrido há mais de 120 anos, Garcia afirma que a Igreja Católica foi oficial no Brasil por mais de 400 anos, o que causa reflexos tanto na definição de feriados, como na escolha de nomes religiosos para cidades, bem como na utilização de representações da crença em espaços públicos, como crucifixos em prefeituras, câmaras de vereadores e tribunais.(...).

Gilberto Garcia, autor do livro O Novo Código Civil e as Igrejas, lembra que, além da Sexta-Feira Santa existem outros feriados ligados à religião, como o dia de feriados religiosos estaduais e municipais, Corpus Christi e o Natal, além de feriados regionais,

como a celebração do dia de São Jorge, [dia do Evangélico] em algumas localidades. O especialista em direito religioso lembra que a Constituição de 1988 reforçou a importância do Estado laico, sem igreja oficial, e ainda o respeito a liberdade de crença.

"A constituição permanece dizendo que é laico, mas a tradição vem sendo mantida", afirma.

Ainda de acordo com Garcia, outras religiões possuem suas datas de celebração, como a comemoração do Yon Kippur pelos judeus, o mês sagrado dos muçulmanos, o Ramadã,

[e o dia de Iemanjá, pelos praticantes de Matriz Africana] que não são feriados religiosos.


"Se a sociedade quisesse mudar essas datas, deixando de ser um feriado obrigatório para

todas as religiões, isso deveria ser feito pelo Congresso Nacional ou pelo Supremo Tribunal Federal, mas não há espaço político para isso", completa Gilberto Garcia.

Celebramos como Nação, em 05 de outubro, 25 anos de vigência da Constituição Federal mais longeva do século XX, como fiadora da estabilidade jurídica, política e social das instituições republicanas, com o verdadeiro estabelecimento do Estado Democrático de Direito no Brasil, sendo a questão dos feriados religiosos uma problemática a ser debatida, no campo legal, pelo Estado Laico brasileiro, eis que, em nosso país convivem harmonicamente os praticantes de todas as crenças e religiões.

 

 

 

A SEGURANÇA DOS FIEIS NAS IGREJAS E ORGANIZAÇÕES RELIGIOSAS

JUSTIÇA FISCAL IGUALITÁRIA NO BRASIL

O Exercício da Cidadania e a Linguagem Jurídica

AS IGREJAS E A ADOÇÃO DE CRIANÇAS

LEGALIDADE INSTITUCIONAL PARA AS IGREJAS NO BRASIL

Simpósio Internacional de Direito e Religião - E U A

Liberdade de crença e intolerância religiosa

Ministro Religioso Não Possui Características de Empregado de Igreja

Contabilidade de Igrejas e Organizações Religiosas.” - Parte 2/2

Contabilidade de Igrejas e Organizações Religiosas.” - Parte 1/2

As Igrejas e o PNDH-3 - Disseminação de Cultura Religiosa da Paz

As Igrejas e o PNDH-3 - Promoção de Respeito a Diversidade Religiosa

As Igrejas e o PNDH-3 - Respeito e Convivência com as Diferentes Crenças

As Igrejas e o PNDH3 – Símbolos Religiosos em Prédios Públicos Federais

As Igrejas e o PNDH3 - Diversidade das Religiões em Escolas Públicas

AS IGREJAS E O PNDH3 - UNIÃO CIVIL ENTRE HOMOSSEXUAIS

As IGREJAS E O PNDH3 – ABORTO: TEMA DE SAÚDE PÚBLICA

As IGREJAS E O PNDH3 - SUBSTITUIÇÃO DE INDICIAMENTO PARA USUÁRIOS DE DROGAS

As IGREJAS E O PNDH3 – REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAIS DO SEXO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO MINISTERIAL

AS  IGREJAS CRISTÃS E O PLANO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS-PNDH3

ELEIÇÕES - EXERCÍCIO DE PRIVILÉGIO E COMPROMISSO

O ELEITOR TAMBÉM TEM QUE TER FICHA LIMPA?

AS IGREJAS E SUAS OBRIGAÇÕES LEGAIS

LEGALIZAÇÃO DA PROSTITUIÇÃO NO BRASIL – II/II

LEGALIZAÇÃO DA PROSTITUIÇÃO NO BRASIL - I/II

OS DIREITOS E DEVERES DOS CRISTÃOS - 2/2

OS DIREITOS E DEVERES DO CRISTÃO - 1/2

ASPECTOS ADMINISTRATIVOS, JURÍDICOS E CONTÁBEIS DAS IGREJAS

PROGRAMA DE ESTUDOS RELIGIOSOS E EVANGÉLICOS

LEI GERAL DAS RELIGIÕES: CONCORDATA EVANGÉLICA?! - 3/3

LEI GERAL DAS RELIGIÕES: CONCORDATA EVANGÉLICA?! - 2/3

LEI GERAL DAS RELIGIÕES - CONCORDATA EVANGÉLICA? - 1/3

A LEGISLAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E AS IGREJAS - PARTE II

LEGISLAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA - IGREJAS & PASTORES I

BRASIL: PAÍS SEM RELIGIÃO OFICIAL - LAICIDADE AMEAÇADA

ESTATUTO JURÍDICO DA IGREJA CATÓLICA NO BRASIL VI

O NOVO ESTATUTO JURÍDICO DA IGREJA CATÓLICA NO BRASIL V

O NOVO ESTATUTO JURÍDICO DA IGREJA CATÓLICA NO BRASIL IV

O NOVO ESTATUTO JURÍDICO DA IGREJA CATÓLICA NO BRASIL III

NOVO ESTATUTO JURÍDICO DA IGREJA CATÓLICA NO BRASIL – II

NOVO ESTATUTO JURÍDICO DA IGREJA CATÓLICA NO BRASIL – I

O LIVRO SAGRADO E AS LEIS NO ANO DA BÍBLIA II

O LIVRO SAGRADO E AS LEIS NO ANO DA BÍBLIA I

CÓDIGO DE DEFESA DO ELEITOR

LIBERDADE RELIGIOSA - UM DIREITOS DE TODOS

ROTARY CLUB E A SOCIEDADE BRASILEIRA

JUBILEU DE PORCELANA PROFISSIONAL NA ADVOCACIA

A SOCIEDADE CIVIL E O NOVO DIREITO ASSOCIATIVO BRASILEIRO 2/2

A SOCIEDADE CIVIL E O NOVO DIREITO ASSOCIATIVO BRASILEIRO 1/2

A IGREJA E O CUIDADO COM AS INFRAÇÕES PENAIS

AS IGREJAS E AS OBRIGAÇÕES LEGAIS

QUEM MANDA MAIS: ASSEMBLÉIA GERAL OU ESTATUTO ASSOCIATIVO ?

A IGREJA, O CÓDIGO CIVIL E O BATISMO DE CRIANÇAS

CUMPRIR A LEI: UMA FONTE DE AUTORIDADE PARA EVANGELIZAÇÃO

EVANGELIZAÇÃO E O JUDICIÁRIO

A NOVA LEI DE PROTEÇÃO AS MULHERES VITIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

QUATRO ANOS DO CÓDIGO CIVIL: ADEQUAR, UMA NECESSIDADE !

DÍZIMO: CONTRIBUIÇÃO VOLUNTÁRIA DO FIEL

FERIADOS RELIGIOSOS NUM PAÍS LAICO

ELEIÇÕES LIMPAS - A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA

VOTO DE QUALIDADE: PREÇO DA DEMOCRACIA !

O PLANO DIRETOR DA CIDADE E AS IGREJAS

OS SINDICATOS E ADEQUAÇÃO ESTATUTÁRIA AO CÓDIGO CIVIL 

MONTE PÚBLICO DA JUSTIÇA, O CALVÁRIO 

AS IGREJAS E SUAS OBRIGAÇÕES LEGAIS

AS IMPLICAÇÕES LEGAIS  DAS EXCLUSÕES DE MEMBROS DAS IGREJAS II

AS IMPLICAÇÕES LEGAIS  DAS EXCLUSÕES DE MEMBROS DAS IGREJAS I

AS IGREJAS E OS CONTABILISTAS NO CÓDIGO CIVIL

IGREJAS EVANGÉLICAS NA MIRA DA POLICIA FEDERAL

OS CIDADÃOS E A CONSTITUIÇÃO DO BRASIL

TOLERÂNCIAS RELIGIOSAS DO ESTADO LAICO

DESARMAMENTO: SIM OU NÃO ? – UMA QUESTÃO DE CIDADANIA !

ORGANIZAÇÕES ASSOCIATIVAS E A NOVÍSSIMA ALTERAÇÃO NO CÓDIGO CIVIL

O CASAMENTO  E O NOVO CÓDIGO CIVIL II

O CASAMENTO  E O NOVO CÓDIGO CIVIL I

ESTADO LAICO: FUNDAMENTO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

AS IGREJAS E O RISCO JURÍDICO ZERO

JUSTIÇA PENHORA DÍZIMOS DE IGREJA EVANGÉLICA

AS “NOÇÕES DE DIREITO” E OS SEMINÁRIOS DE TEOLOGIA

O DIREITO NOSSO - EXERCÍCIO DE CIDADANIA CRISTà !

O ESTATUTO DA IGREJA ESTÁ ADEQUADO AO NOVO CÓDIGO ?

A NECESSIDADE DE ADEQUAÇÃO DO ESTATUTO DA IGREJA !

POR QUE O ESTATUTO DA IGREJA TEM QUE SER ADEQUADO?

OS EVANGÉLICOS E A NOVA ORDEM JURÍDICA

O NOVO CÓDIGO CIVIL E A SOCIEDADE BRASILEIRA

NOVO CODIGO CIVIL MEXE COM A NATUREZA ASSOCIACIONAL DAS IGREJAS NO BRASIL  II

NOVO CODIGO CIVIL MEXE COM A NATUREZA ASSOCIACIONAL DAS IGREJAS NO BRASIL  I

AS ALTERAÇÕES NO CÓDIGO E A LIDERANÇA EVANGÉLICA

ESTATUTO DA IGREJA: UNIFORME OU ROUPA SOB MEDIDA?

AS IGREJAS E OS APERFEIÇOAMENTOS AO CÓDIGO CIVIL

AS IGREJAS E O NOVO CÓDIGO CIVIL

AS IGREJAS E AS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS DA ALTERAÇÃO NO CÓDIGO CIVIL

AS CONSEQÜÊNCIAS LEGAIS DA ALTERAÇÃO DO CÓDIGO CIVIL PARA AS IGREJAS.

AS ALTERAÇÕES NO CÓDIGO E A LIDERANÇA EVANGÉLICA

A SOCIEDADE BRASILEIRA E O NOVO CÓDIGO CIVIL

A NOVA ORDEM JURÍDICA E A SOCIEDADE BRASILEIRA

2º SIMPÓSIO NACIONAL - UM EVENTO JURÍDICO DE ALTÍSSIMO NÍVEL